Estúdio

On 14 de dezembro de 2014 by admin

Devido ao grande número de acesso a esse tutorial postado no site anterior, transcrevo para apreciação aqui.

Isolamento acústico do Estúdio

O isolamento acústico é a etapa mais delicada da construção de um estúdio. Vou mostrar a seguir como foi feito esse isolamento na antiga Gyrasom Áudio Produções, empresa que criei a fez parte da minha trajetória profissional na cidade de Porto Alegre/RS.

O Projeto

Tratava-se de uma sala comercial em andar térreo e fundos, o que nos favoreceu em uma série de fatores. Optei pela construção de uma sala “in box” (uma sala dentro da outra). Como o foco principal do estúdio era a captação de instrumentos acústicos como o violão, flauta, sopros e cordas, foi escolhido a madeira como material principal para as paredes internas por acreditar que sua sonoridade fosse mais adequada. O projeto levou em conta o melhor aproveitamento da área disponível no local, aliada as proporções ideais de uma sala de gravação. As paredes externas, o piso e o teto que existem no local foram mantidos e tomados como referência e foi construído uma outra sala dentro dessa como narro a seguir:

As dimensões disponíveis no local eram de: 4,5 m de comprimento por 2,9 m de largura e 2.9 m de altura. Depois de calcular os vãos necessários para o melhor isolamento e os nódulos de frequência, optou-se por rebaixar o teto para obter um resultado acústico melhor.

estudio_proj
Na planta baixa acima, as linhas em preto são as paredes existentes no local, o traçado em vermelho é a sala construída em MDF. Durante a execução do projeto foram alteradas algumas coisas como a abertura das portas que ficaram para dentro, e o traçado de algumas paredes foram alteradas, mas não muito diferente do desenho.

f2

A sala original, antes da construção do estúdio.

Foi necessário fazer um tratamento nas paredes e no piso contra a umidade antes de começar o isolamento propriamente dito.

O Piso

Foi feito uma estrutura com caibros de cedrinho 5X5 cm sobre borracha EVA de 15mm de espessura. O espaçamento entre os caibros foi de 60 cm, preenchidos com mantas de lã de vidro de 2 polegadas e por forração que já existia no local. Sobre essa estrutura foi colocado o piso (Placas inteiras de MDF de 20mm).

f3

Detalhes da montagem do piso

As Paredes:

Foram feitas com MDF de 20 mm alternadas com compensado naval de 20 mm também. Elas distam aproximadamente 10 cm da parede original e estão apoiadas numa estrutura de caibros de 5X5. O espaço que fica entre as paredes foi preenchido com mantas de lã de vidro de 2 polegadas. A estrutura que apóia no chão está sobre borracha EVA de 15 mm.

f5

O Teto

O teto do estúdio foi feito com duas placas de MDF de 15 mm coladas a guias de 2,5 X 10 cm, apoiadas sobre as paredes internas. Não existe nenhum tipo de contato com o teto externo nem com as paredes externas ficando a uma distância de aproximadamente 40 cm do teto original. Sobre ele foi colocado mantas de lã de vidro de 2 polegadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Vista do vão entre o teto original e do estúdio com preenchimento da lã de vidro.

As Portas

Sem dúvida a parte mais trabalhosa do projeto. Alguma falha nassa etapa e todo o resto não faria efeito algum. Foram feitas com uma chapa de compensado naval de 20 mm, uma manta de lã de vidro de 2 polegadas e outra chapa de MDF de 15 mm. A união da estrutura foi com guias de madeira de 2,5X 5 cm. Para os acabamentos laterais usou-se MDF de 6 mm preenchido com poliuretano expandido. A tranca ficou por conta do atrito do revestimento em feltro. A espessura total da porta foi de 9 cm. Para facilitar o fechamento, os cantos da porta tiveram uma inclinação de 45°.

f10

O Aquário
Mede 70 X 90 cm e foi feito com um vidro de 8 mm e outro de 6 mm afastados um do outro de 15 a 20 cm (existe uma pequena inclinação em um dos lados). Ambos foram colocados em batentes individuais de madeira e isolados com silicone. Já existia no local uma parede de gesso de 10cm de espessura que separa a técnica da sala de gravação. Um dos vidros foi colocado nessa parede e o outro na parede nova de compensado naval de 20mm.

f11

O Isolamento Final

Todas as frestas entre as placas foram preenchidas com Poliuretano expandido ou silicone, dependendo do tamanho do vão.

O Tratamento acústico:

Depois de todo o isolamento pronto, a sala começou a ser testada para a correção acústica. Foram usados difusores em “V” para as médias e altas freqüência e 3 “bass trap” de canto para a absorção dos graves indesejáveis. Com o tempo troquei os difusorem em V por outro quadriculado por ocupar menos espaço.

O resultado do isolamento foi bastante satisfatório. Da sala de gravação para a técnica, foi medido uma atenuação de volume em média de – 47db. Já da sala de gravação para a rua, devido a um espaçamento maior e uma parede extra que foi necessária, foi medido uma atenuação em média de – 65 db. Um resultado bem eficiente para essa técnica de isolamento e tamanho de estúdio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *